Um espaço de discussão sobre Filosofia, Psicanálise, Arte, Política, Crítica cultural e Atualidades.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Misandria

“Aos homens!” — esse foi o brinde feito por quatro garotas em uma mesa de um café, que ouvi quando passei por elas. O que me chamou a atenção nesse gesto não foi propriamente a desinibição, mas a interessante ausência de de misandria, ou seja, de aversão/ódio aos homens. Apesar de a misoginia (aversão ou ódio às mulheres) despontar como uma realidade cultural e de mentalidade bem mais frequentemente referida, a misandria, mesmo tendo contornos bem menos drásticos e efeitos aparentemente menos violentos, deve ser também alvo de nossa reflexão, pois é uma consequência da própria concepção misógina dos homens.

Se um ser de outro planeta viesse até a Terra e estudasse a nossa realidade — propôs Freud em certo momento —, talvez o que mais lhe chamaria a atenção é a diferença entre os sexos, que seria tomada como bastante insólita, estranha, demandando uma explicação convincente. O valor dessa ficção conceitual, obviamente, não está em afirmar que a diferença entre os sexos seja o mais estranho no mundo, mas sim em apontar para o fato de que a polaridade entre masculino e feminino (que, aliás, não se reduz à oposição biológica entre homem e mulher) implica o reconhecimento da diferença como um ingrediente interno de nossa cultura bastante significativa: trata-se da dificuldade de fundo em mesclar em uma mesma identidade pessoal esses dois polos da sexualidade. A figura retórica “de outro planeta” indica a necessidade de nos colocarmos em um outro lugar para além do que vivemos, para percebermos a gravidade das diferenças dos lugares que habitam em nós mesmos. A partir da concepção psicanalítica que defendo, o feminino constitui, no terreno por onde nos movimentamos, aqueles pontos com maior instabilidade, com menos segurança para fundamentar nossa identidade pessoal. Uma das consequências disso é a misoginia, em que a feminilidade tornou-se uma fratura na hipertrofia masculinizada da identidade pessoal no ocidente.

Não é difícil diagnosticar uma evidência pseudo-pornográfica da violência misógina. De forma análoga a como a pornografia contamina o desejo sexual real, colocando-o na sombra da evidência imagética do objeto como objeto-de-desejo, a percepção consumada da violência masculina sobre as mulheres parece se disseminar em larga medida pelas mentalidades, de modo que antes de João mostrar quem ele mesmo é, precisa demonstrar que não é Fulano, não é Beutrano, não é Ciclano etc., todos eles exemplos do que pode virtualmente surgir a todo momento da atitude misógina. Essa facticidade da violência masculina acaba sendo um suporte, um apoio, para a consciência da dificuldade de assimilação da própria condição feminina por parte das mulheres. Não é nada difícil que o ser-homem adquira um significado simbólico difuso e não totalmente consciente do quanto o ser-feminino é de fato difícil de ser equacionado na tarefa de definir a si mesma/o em uma sociedade capitalista concorrencial e machista.

Claro está que nos encontramos em pleno círculo vicioso, pois cada um dos pontos alimenta-se reciprocamente. Nesse sentido, parece-me que uma tarefa para a figuração do desejo individual passa por algo que me parece bem descrito através de uma expressão que já se tornou clichê, a saber: a insistência em uma ingenuidade do olhar, como se cada novo vínculo afetivo pudesse, de uma forma ou de outra, estabelecer sua própria “lógica” de aproximação e distanciamento simultâneos entre o ser-masculino e o ser-feminino. Uma das grandes dificuldades para isso está em que a luta das mulheres por sua emancipação em vários níveis, desde a política institucionalizada até a percepção da dignidade do próprio desejo sexual em sua intimidade mais recôndita, passa precisamente pela evidenciação política dos atos concretos de violência contra elas. Conciliar essas duas facetas do problema é mais uma das tarefas a que precisamos nos dedicar.

Se você gostou dessa postagem,
compartilhe em seu mural no Facebook.

Compartilhar

Um comentário:

Adriana Figueiredo disse...

Interessante texto para pensarmos a questão do gênero e seus desdobramentos em tempos atuais. Parece-me que há nítida ambivalência entre o ser-masculino e o ser-feminino que ressoa nos afetos e desejos "individuais". Por ACF