Um espaço de discussão sobre Filosofia, Psicanálise, Arte, Política, Crítica cultural e Atualidades.

sábado, 25 de outubro de 2014

Fenomenismo pueril


Com certeza você conhece aquela típica reação infantil de fechar os olhos e encolher os ombros para cima quando alguma coisa vai cair ou bater. Você também já viu e se lembra de uma típica cena de desenhos animados em que o personagem, ao correr sobre um abismo sem saber, somente começa a cair quando olha para baixo e vê que perdeu o chão. Trata-se de algo próprio da mentalidade infantil: um fenomenismo delirante, que somente toma como realidade o que pode ser visto, que tem como contraparte a ideia de que as coisas existem na magnitude com que são vistas.

A frase de Aécio Neves de que “Para acabar com a corrupção, só tem uma solução: tirar o PT do poder” baseia-se neste princípio da mentalidade infantil. Tendo ele obtido enorme sucesso em cercear a atividade da imprensa em MG, segue-se que corrupção e ineficiência administrativa são duas coisas que simplesmente não ocorreram em seu governo. Afirmar o contrário seria apenas um mero exercício especulativo e atividade da imaginação. Além disso, a intensidade ou gravidade do fenômeno, sendo proporcional ao seu aparecer, faz com que o mensalão do PT seja infinitamente mais grave do que a privataria tucana e o escândalo do metrô de São Paulo (que na verdade nem chegou a ser um escândalo, devido ao tratamento da imprensa, apesar de a justiça de países europeus terem instaurado processos contra suas empresas).

Esta fala do tucano também presta-se a antecipar a possível “realidade” da corrupção em um eventual governo de Aécio: se ele obtiver um sucesso tão grande quanto em relação à imprensa de Minas, podemos ter certeza de que não ouviremos mais falar de corrupção no Brasil. Tal como no desenho do papa-léguas, seremos como aquele coyote que caminha longamente sobre o abismo mas não cai.

Nenhum comentário: